(41) 99821-2381 pecaoracao@gmail.com
O Ministério dos Que Passam Despercebidos
21 de agosto
Bem-aventurados os humildes de espírito.
Mateus 5.3
21 de agosto de 2020

O Novo Testamento destaca virtudes que, vistos através dos nossos padrões actuais, não são lá muito comoventes. “Bem-aventurados os humildes de espírito”, significa literalmente “bem-aventurados os indigentes”, algo excessivamente comum para ser levado em conta! As pregações que se ouvem hoje procuram enfatizar a força de vontade, a beleza do carácter da pessoa — coisas que são facilmente notadas por todos. A frase que tantas vezes ouvimos — “Aceitar a Jesus” — dá ênfase a uma postura que o Senhor nunca propôs e na qual nunca confiaria. Ele nunca nos pede para aceitá-lo, mas para nos rendermos a ele — o que é muito diferente. O reino de Jesus Cristo tem como base a beleza natural daquelas coisas que se tornam simples. Sou bem-aventurado pela minha pobre­za. Se sei que não tenho força de vontade, nem nobreza na minha disposi­ção, então Jesus diz: “Bem-aventurado és tu”, porque é através dessa pobreza que entras no Meu reino. Não posso entrar nele como pessoa boa, só posso entrar como um indigente.

A verdadeira natureza da beleza interior que testifica de Deus é aquela que se torna sempre num factor inconsciente. Uma influência consciente é ostensiva e anticristã. Se eu disser: “Será que sirvo para alguma coisa”, logo ali se perde toda a beleza que me surge daquele toque proveniente do Senhor. “Quem crer em mim… do seu interior fluirão rios de água viva”, João 7:38. Se fico para analisar que rios são esses, perco no toque do Senhor.

Quais são as pessoas que mais nos têm influenciado? Não são as que pensavam fazê-lo, mas as que não tinham a mínima noção de que estavam a exercer certas influências sobre nós. Na vida evangélica, a realidade implícita nunca é consciente; se é consciente, deixa de ter aquela beleza simples que é a característica principal do toque especial vindo da parte de Jesus. Sabemos quando é Jesus que está operando, porque ele produz algo que é inspirador naquelas coisas que nos são comuns.

Bíblia em um ano: Salmos 107-109; 1 Coríntios 4

Escrito por Oswald Chambers.

Confira mais devocionais escritos por Oswald Chambers, no original clicando aqui.

Texto retirado e traduzido de Utmost.org

A Chave da Devoção do Missionário

A Chave da Devoção do Missionário

O Senhor explicou como nosso amor por ele deve ser revelado: "Tu me amas?" João 21:17. E logo de seguida: "Apascenta as minhas ovelhas" – exemplificando qual o amor a que se referia. Em abono de toda a verdade, isto quer apenas dizer: identifica-te com meu interesse...

A Chave Para Aquelas Obras Maiores

A Chave Para Aquelas Obras Maiores

A oração não nos prepara para obras ainda maiores; a oração é a obra maior. Encaramos a oração como um exercício vulgarizado de nossas habilidades quando se necessitam milagres e que tem por objetivo prepararmo-nos para um serviço a Deus. Segundo o ensino de Jesus...

A Chave Das Ordens do Mestre

A Chave Das Ordens do Mestre

O segredo da questão missionária está nas mãos de Deus — é a oração e não apenas o trabalho; não o trabalho, no sentido real da palavra, tal como é popularmente tido hoje, porque nos pode induzir a deixarmos de nos focalizar em Deus. O segredo da obra missionária não...

Share This